para parir…

parir.jpg

Há tempos não me debruço aqui sobre o certezas provisórias para expor meus olhares e experimentações sobre a vida. Como já disse, a gravidez é uma mutação não apenas física. Sou toda outra e com isso mudam ritmos e prioridades.

Mas há tempos também que quero passar por aqui e contar sobre minha escolha em parir.

Sim, eu quero parir Caetano!

Parir da melhor forma para mim, para ele e para nossa relação. Por isso escolhi a Casa de Parto de Sapopemba como o local de nascimento de meu filho. Lá não contaremos com as famosas intervenções hospitalares para evitar a dor.

Ainda acredito que a dor faz parte da maioria dos processos importantes da vida e que a relação entre mãe e filho só tem a ganhar com o ritual completo de um parto, que inclui dor e delícia na mesma intensidade. Então, para parir não quero anestesia, episiotomia, tricotomia e outros.

Quero eu, Caetano e Nê criando nosso processo de nascimento e renascimento. Quero me sentir empoderada, capaz de protagonizar o parto.

Esta escolha, num país onde 40% dos nascimentos são realizados não através de um parto, mas de uma cirurgia conhecida como cesárea não é simples. Nem digo isso pelo tanto de vezes que ouvi ‘você é louca!’ ou outras frases desanimadoras durante a gestação, mas pela ânsia dos profissionais da saúde de hospitais particulares (onde o índice de cesárea representa 90% dos nascimentos) em promover mais uma cirurgia para o seu próprio bem, pois com data marcada a agenda deles não sofre alterações. Troquei por três vezes de médico obstetra e isso não é divertido, aborrece!

O parto natural sem intervenções é indicado pela OMS (Organização Mundial de Saúde) desde que não haja qualquer impedimento. Esta recomendação se completa com a indicação de que o máximo de cesáreas realizadas num país se limite a 15% dos nascimentos. Estamos bem longe!

A cesariana é um instrumento importantíssimo para salvar a vida de mães e
crianças, mas pode acontecer justamente o contrário
” alerta a coordenadora técnica de
Saúde da Mulher do Ministério da Saúde, Maria José de Oliveira Araújo. Ela explica que a cirurgia traz mais riscos de infecção, de bebês prematuros e com baixo peso e hemorragias do que o parto normal. “Essas informações estão cientificamente provadas, não há mais dúvidas“, enfatiza.

Ainda assim, obstetras sem tempo para acompanhar partos com mais de 10 horas convencem a grande maioria das mulheres do meu país – que não vêem mais a dor como parte do processo de parir, preferindo evitá-la – a agendarem os nascimentos de seus bebês e a cortarem sete camadas de suas barrigas desnecessariamente.

Eu não me rendo a mais este mercado. Eu quero parir! Quero parir Caetano!

Anúncios

Um comentário sobre “para parir…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s