0

o que se passa?

nesta cama

vasto espaço

passam horas

vasto tempo

passa o filme

(me acalenta?)

preciso sonhar

passo assim por você

deixo contigo as palavras

caminhar, pensar

(preciso sonhar)

o que se passa?

Anúncios
2

morphus mater – antes que maio acabe

Maio foi mês de refletir o ser mãe, porque sim, eu posso me aproveitar de uma data comercial e fazer dela o que eu quiser e não o que o sistema quer. E assim foi!

No dia, aquele comercialmente marcado, meu filho acordou e me contou duas histórias de presente: uma que eu conto a ele para dormir e outra que o pai conta com o mesmo fim. Daí, levantou-se me deixando na cama e saiu com o pai para colher flores, estas da imagem acima e todo feliz me entregou. Dá para querer outra vida? Não.

No sábado que se seguiu, apresentação na escola:

“Mamãe eu te amo, não vou negar, que outra pessoa não servirá. Tem que ser você, sem porquê nem prá quê, tem que ser você, sem ser necessário explicar”

Surpresa preparada pela equipe de musicalização da escola.

Sim, senhoras e senhores, ele cantando isso do fundo da alma e minhas lágrimas dançando! Até ignorei o fato de ser Xuxa a música que ele dançou em seguida e achei lindo também!

E ele anda danado, fujão, testando nossos limites à exaustão, e recebendo as devidas respostas educativas difíceis e necessárias para seu desenvolvimento.

Mas, dá para querer outra vida?

Não dá nem mesmo para querer aquela minha vida de apenas filha e namorada, que morava sozinha, curtia as baladas, ia trabalhar no dia seguinte e que via todos os filmes desejáveis no cinema de rua da Augusta. Não dá!

Através de um filho a vida se recria, se metamorfoseia. Querer voltar à vida pré-maternidade após parir, dar à luz é como ser linda borboleta que quer voltar a lagartear, a comer sem fim e dormir sem fim. Vira e mexe ouço sobre a idéia da cama compartilhada, que depois os pais não recuperam seu espaço na cama. Prá mim não há drama. Até porque agora com seus quase 4 anos, Caetano sabe dormir em sua cama, mas ainda não desaprendeu a dormir comigo. E o que é um espaço numa cama se comparado ao espaço que hoje ocupo na vida desta criatura borboleteante que dá cor à minha vida e à vida de tantos que o cercam?